Masterclass

edmundo hora.png

Baiano de Cachoeira e Doutor em Música-modalidade Cravo pela Unicamp-Campinas-SP, desenvolve o seu trabalho baseado na interligação das técnicas específicas dos instrumentos de teclado, possuindo em seu acervo atualmente: Cravos, Órgão de Câmara, Clavicórdio e Fortepianos - duas réplicas de 1796 e um original do séc. XIX. Na Bahia foi organista titular da Catedral Basílica de Salvador nos anos de 1972 a 1977 e em São Paulo especializou-se em Cravo de 1978 a 1980. Já realizou Recitais ao Órgão nas cidades Históricas de Mariana e Tiradentes-MG e tocou Concerto solo de G.F.Haendel com a Orquestra Sinfônica de Campinas. Em Amsterdã-Holanda de 1984 a 1993, graduou-se como;Solista de Cravo; pela Escola Superior de Artes de Amsterdã e pós graduou-se na Hogeschool Stichting Amsterdam-Sweelinck Conservatorium, orientado respectivamente por J. Ogg e A. Uittenbosch, tendo como presidente do júri, Gustav Leonhardt. Participou do I Simpósio Internacional de Cravo -Utrecht 1990 com uma Palestra demonstração sobre afinação de Jean Denis. Entre 1997 e 2004 foi Diretor Artístico da série;Música no Mosteiro; em Vinhedo-SP, promovendo concertos dedicados em especial à música barroca, clássica e colonial brasileira. Em Campinas dirigiu Coro e Orquestra Barroca “Armonico Tributo”, com instrumentos de época, recebendo convites para os importantes Festivais do país, tais como no Rio de Janeiro, Florianópolis, Brasília, S. Paulo e Curitiba entre outros, incluindo-se Sala São Paulo – maio 2004 e Mozarteum em Montevidéo-Uruguay (com os concertos para 4 Cravos de BACH). Na Europa apresentou-se no Concertgebow de Amsterdã, De Doelen de Roterdã, Muziek Centrum Vredenburg de Utrecht, em Berlim, Stuttgart Bad Kreutzingen na Alemanha, Zurique e Basel na Suíça, Atenas e Tessalonica na Grécia, Lisboa e Aveiro em Portugal, assim como em Paris-França. Gravou CD’s ao Cravo, ao Fortepiano e com o Triplo Contínuo. Idealizador e Coordenador Geral do PERFORMA CLAVIS 2010-Internacional, faz parte das Comissões das 3 edições bienais seguintes (UNICAMP 2012, USP 2014, UNESP 2016 e UNICAMP Dezembro 2018) em São Paulo por acreditar nas interligações técnicas específicas tecladisticas, envolvendo o Órgão, Cravo, Clavicórdio, Fortepiano e o Piano tradicional com suas abordagens estilísticas– instrumentos em que atua. Pesquisador do CNPq e da FAPESP atuou como Professor de Cravo e Música Barroca no Departamento de Música do Instituto de Artes da UNICAMP (1993-2015) e desde 2004 continua credenciado como Professor Colaborador no Programa de Pós-Graduação em Música, Mestrado e Doutorado em Cravo na mesma Instituição.

ana cecilia tavares.png

Natural do Rio de Janeiro, é radicada em Brasília. Mestre em cravo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, fez especialização na França como bolsista da CAPES-MEC com a cravista Huguette Dreyfus no ciclo de Perfectionement em cravo, tendo obtido os prêmios Prix d’Excellence (1987) e Prix de Virtuosité (1988).  Na França fez parte de estágios internacionais de cravo e música de câmara e apresentou-se em diferentes cidades francesas. No Brasil, foi vencedora do VI Prêmio Eldorado de Música em São Paulo e gravou disco solo com obras de Marchand e Bach pelo selo Eldorado. Gravou ainda CD com o Trio Barroco de Brasília e álbum para cravo solo Bach/Froberger. Integrante do Grupo Estúdio Barroco, Em 2006 e 2018, gravou dois álbuns com o grupo,  sendo o último, Damas Virtuosas, dedicado à compositoras dos Sec XVII e XVIII. Em 2010 lançou CD da obra A Arte da Fuga de J.S. Bach em versão para dois cravos com o cravista Marcelo Fagerlande e em 2017 o CD Originais e Transcrições. O duo se apresentou na Sala Cecilia Meireles e outros teatros do Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo, Olinda (Mimo), Juiz de Fora, Porto Alegre e nas cidades de Sttutgart e Karlsruhe na Alemanha. Apresenta-se regularmente em Brasília e em diferentes teatros no país. Participou dos Ciclos de Concertos para dois, três e quatro cravos, de J.S. Bach, na Sala Cecília Meireles, Rio de Janeiro; apresentou-se no Festival de Música Antiga de Juiz de Fora; na IV Semana de Música Antiga da UFMG em Belo Horizonte e Tiradentes; no Espaço Cachuera em São Paulo; na Pinacoteca do Estado de São Paulo; na Série Concertos Eldorado, no Maksoud Plaza; no Theatro Municipal de São Paulo; no Mosteiro de São Bento, em Olinda; e no Museu de Arte Sacra, em Belém.

Foi professora do 28 º e do 31.º Curso Internacional de Verão da Escola de Música de Brasília, ministrou curso de extensão na Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro, ) foi professora de cravo no CEP - Escola de Música de Brasília, participou como palestrante na Semana do Cravo na UFRJ em várias edições, integrante do grupo de pesquisa do livro Tratados e Métodos de Teclado e publicou resenha na Revue de Musicologie (França)

david castelo.png

Possui graduação em Bacharelado em Música pela Faculdade de Música Santa Marcelina (1997), mestrado em Música - Conservatorio Real de Haia, Holanda (2003) e doutorado em Música pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2018). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Goiás. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Flauta Doce, atuando principalmente nos seguintes temas: performance musical, flauta doce, música contemporânea, música brasileira e música antiga.

Para mais informações acesse:

marcus held.png

Natural de São Paulo, é músico e pesquisador, professor de Violino Barroco e História da Música do Conservatório de Tatuí. Doutorando e Mestre em Música (Musicologia) pela Universidade de São Paulo (2017), realizou, pela primeira vez no Brasil e à língua portuguesa, a tradução (acrescida de comentários) da integral da obra tratadística do violinista e compositor Francesco Geminiani (1687-1762). Especializou-se em Música Antiga (Violino Barroco) na Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP), Escola Municipal de Música de São Paulo (Fundação Theatro Municipal de São Paulo) e na Escola Superior de Música de Catalunya (ESMUC-Barcelona). Com diversos artigos publicados em revistas especializadas, tem interesse voltado à pesquisa e à interpretação com instrumentos históricos do repertório dos séculos XVI, XVII e XVIII. Apresentou diversos trabalhos em congressos e conferências no Brasil (USP, UNESP, UNICAMP, UFRGS e UFG) e exterior (Portugal, Espanha, Itália, Inglaterra e Escócia), além de ser regularmente convidado para ministrar masterclasses e palestras envolvendo tópicos de práticas interpretativas antigas, história e filosofia da música em instituições como a Universidade de São Paulo, Academia Cultura, Instituto Baccarelli, Camerata Filarmônica de Indaiatuba e pela plataforma #CulturaEmCasa, programa da Secretaria de Cultura e Econ0mia Criativa do Estado de São Paulo.

aria rita pires.png

Aria Rita é Licenciada em Música pela Universidade de Brasília - UnB e formada como Técnica em Alaúde pela Escola de Música de Brasília. Começou seus estudos musicais em 2009, e em 2011 passou a tocar instrumentos de cordas dedilhadas históricos, como o alaúde renascentista, o arquialaúde, a teorba e a guitarra barroca. Em seu TCC, "Pedagogia musical historicamente informada: Propostas para uma educação adequada à interpretação de Música Antiga", investigou princípios metodológicos congruentes com o ensino da Música Antiga e de instrumentos históricos. Hoje, atua como intérprete e professora autônoma de alaúde. Em 2018, foi selecionada para dois Ethno Camp da Jeunesse Musicale International. Com a orquestra do Ethno Brazil fez turnê no Estado de São Paulo, inclusive no MASP, e com a orquestra do Ethno Bahia, se apresentou no Teatro Dona Canô em Santo Amaro, na Casa de Música de Itapuã, e no Teatro SESC do Pelourinho em Salvador. Desde 2018 toca guitarra barroca e percussão histórica no trio de música antiga Folias Vilãs, com quem apresentou concertos na Universidade de Brasília, na Escola de Música de Brasília, na IV Série de Música Antiga do Goiás em Goiânia, e em estabelecimentos comerciais e outras instituições do DF. Em 2020, fez dois cursos de Baixo Contínuo com Pablo Zapico. Estudou percussão histórica e repertório parisiense dos séculos 12 e 13 no 9º Curso Internacional de Performance de Música Medieval de Besalú.

javier.png

Estudou no Conservatório Nacional Superior de Música Carlos López Buchardo (atualmente Universidade Nacional del Arte), tendo obtido o título de Bacharel em seu instrumento. Especializou-se em interpretacao histórica a través de cursos e master classes com mestres destacados (Rachel Brown, Wilbert Hazelzet, Marc Hantäi, Linde Brunmayr, Gabriel Pérsico, Livia Lanfranchi, entre outros). Aperfeiçoou-se na música de câmara e interdisciplina, e fez cursos de regência coral e orquestral.Apareceu como solista e membro de várias formações de câmara, em salas na Argentina, Brasil, Paraguai e França. Ele é membro da Orquestra de Regença da UNA. Ele já realizou obras de autores contemporâneos, alguns como estreias. Desenvolveu apresentações e concertos nas 1°e 2°Jornadas Internacionales de Flauta Histórica, realizados em Buenos Aires. Desenvolve um trabalho docente constante, por meio de aulas e workshops em Buenos Aires, Rio Cuarto, La Rioja, Tucumán, Neuquén, Puerto Madryn e Goiânia, Brasil. É fundador do Ensemble "Comarca Antigua", que lançou um CD. Lançou, também, o CD "Del Barroco a Piazzolla", com obras originais de seu instrumento. Participou em audições na Rádio Nacional, Rádio Municipal, Rádio Premium e Rádio UNDAV. Desde 2013, coordena o Ciclo de Música Antiga no Museu Histórico C. de Saavedra.

Conversando sobre

_MG_2662.JPG

Maurício Molina

Mauricio Molina is a musicologist, organologist, iconographer, and medieval music performer. His main areas of study are the monophonic song in Latin and Romance languages (900-1300), musical instruments and their performance (11th-13th centuries), and Romanesque and Gothic musical iconography. He holds a master's degree in historical performance from the Mannes College of Music (New York) and a doctorate in historical musicology from the City University of New York Graduate Center.

Dr. Molina is the founder, director and a professor of the International Course on Medieval Music Performance of Besalú (Medieval Music Besalú), is the director of the medieval musicology seminar of the UIMP (Universidad Internacional Menédez Pelayo), and a visiting professor at the Center International de Musiques Mediévales-Université Paul Valéry de Montpellier. Mauricio is also professor of medieval Christian and Islamic Art, religious studies, and musical anthropology at the Institute for American Universities – American College of the Mediterranean and at the American university consortium IES Abroad Barcelona.

He has been professor of Early Music at the University of Bridgeport (Connecticut, USA), of Medieval Music at the Aula de música Antiga of the Conservatory Isaac Albéniz of Girona (Catalonia), and lecturer at the Master of Historical Performance of the ESMUC (Escola Superior de Música de Catalunya). Mauricio is also a member of the Medieval Studies Research Group of the University of Lleida, a member of the research group Música y Mujeres: Estudios de género of the SEdeM (Sociedad Española de Musicología), and co-director of the medieval musicology strand of the Medieval Meeting of the University of Lleida. In 2010 he published Frame Drum in the Medieval Iberian Peninsula (Reichenberger), book that was awarded the Nicholas Besseraboff prize of the American Musical Instrument Society as the most distinguished organology of 2010. His next books “The monodic song in the medieval West (850-1200),” and “Medieval Song and its Performance (900-1300)” will be published by Dairea (2021).

As a performer, Mauricio is director of the medieval music ensembles Magister Petrus, Ars memoriae and Na Rota do Peregrino.

ana guiomar marshall pedro.png

Pedro Persone

Dr. Pedro Persone iniciou seus estudos no Conservatório de Tatuí, com a professora Maria José Carrasqueira. Graduou-se em Cravo pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Estudou em 1977 com Huguette Dreyfus na École Nationale de Musique de Bobigny, França; e em 1988, com Jacques Ogg, na Academie voor Oude Muziek, Amsterdam. Persone foi o primeiro a reintroduzir o fortepiano no circuito musical brasileiro durante o ano Mozart 1991. Gravou o primeiro CD com fortepiano no Brasil. Para o Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”, Tatuí foi o criador dos Cursos de Cravo (1985) e de Fortepiano (2008) – sendo este último o primeiro curso de fortepiano da América Latina; nesta instituição foi professor de cravo, fortepiano, práticas interpretativas, música de câmara e baixo continuo de 1985 a 2010.Em 1996, com bolsa de estudos da FAPESP, recebeu o diploma de Mestre em Artes pela UNICAMP, com sua pesquisa sobre obras “non mesures” para cravo.Graças ao suporte oferecido pela CAPES, Persone cursou o Doctor of Musical Arts em Historical Performance na Boston University sob orientação do Professor Mark Kroll. Sua dissertação, “The Earliest Piano Music: Lodovico Giustini's (1685-1743) Sonate da cimbalo di piano e forte detto volgarmente di martelletti, Firenze, 1732.” Foi publicada em 2008 pela editora alemã VDM-Verlag de Saabrücken.Entre 2007 e 2010, no IA da Unesp, Persone desenvolveu pesquisa de pós-doutorado (FAPESP) sobre o tema “A música pianística e camerística composta entre 1790 e 1826 presente na ‘Coleção Thereza Christina Maria’: uma abordagem segundo as práticas interpretativas relacionadas ao período”. A Editora Prismas de Curitiba lançou o livro com os resultados desta pesquisa com o título “O Piano era, então, ainda uma novidade”: A Coleção Thereza Christina e sua performance.Em 2016 fez um Pós-Doutorado envolvendo o cravo nos tempos coloniais junto ao NAP-CIPEM do Departamento de Música da FFCLRP-USP de Ribeirão Preto sob supervisão do Prof. Dr. Rubens Ricciardi. Desta pesquisa resultou o capítulo do The Harpsichord in Colonial Spanish and Portuguese Americas do The Cambridge Companion to the Harpsichord publicado pela Cambridge University Press. Persone foi Professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Maria – UFSM de 2010 a 2018. Atualmente é Assessor Pedagógico do Conservatório de Tatuí.

ana guiomar marshall pedro.png

Ana Guiomar Rego

Doutora em História Cultural pela UnB. Mestra em Música pela UFG. Professora Associada da Escola de Música e Artes Cênicas (EMAC) da UFG. Coordena o LABMUS - Laboratório de Musicologia da EMAC/UFG. Diretora da EMAC/UFG (2011/2018).  Preside o Simpósio Internacional de Musicologia realizado em parceria com o CARAVELAS (CESEM /Universidade Nova de Lisboa). Publicou, em parceria com Kleber Damaso e David Cranmer, a coletânea “O Grande Governador da Ilha dos Lagartos”: “Práticas de Pesquisa e Criação em Artes” (livro), “Livro de Partituras”, “Álbum de Fotografias”, DVD, Videoaula. Tem publicado capítulos de livros, artigos em revistas científicas qualificadas e em Anais de eventos nacionais e internacionais. Recebeu: do Governo do Estado de Goiás e do Conselho Estadual do Estado de Goiás a “Medalha do Mérito Cultural” por sua importante contribuição à cultura goiana (2016);  da Academia Goiânia de Artes e Letras do Estado de Goiás a comenda “Medalhão AFLAG - Mulheres que engrandecem o Estado e de Goiás" (2018); do Governo do Estado de Goiás e do Conselho Estadual do Estado de Goiás o “Certificado de Mérito Cultural pelo importante contribuição à cultura goiana”. 

ana guiomar marshall pedro.png

Marshal Gaioso

Ph.D. em Musicologia pela University of Kentucky, Mestre em Artes pela USP e Bacharel em Instrumento Musical pela Universidade Federal de Goiás. Foi bolsista da CAPES e da Fundação Fulbright de 2005 a 2009. Estudou com Estércio Marques Cunha, Régis Duprat, Jonathan Glixon, Emílio de César  e Aylton Escobar. Foi regente titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica de Goiânia e regente associado da Orquestra Filarmônica de Goiás. É autor de Danças para Banda – Acervo Maestro Balthasar de Freitas (2006) e Da Missa ao Divino Espírito Santo ao Credo de São José do Tocantins (2004) e tem apresentado trabalhos no Brasil, nos EUA e na Europa. Como diretor musical, regente e musicólogo tem participado da gravação de diversos CDs. Recebeu os prêmios Medalha de Honra da Universidade Federal de Goiás (2013) e Destaque Cultural do Ano do Conselho Estadual de Cultura de Goiás (2006 e 2012). Atualmente é professor titular do Instituto Federal de Goiás e regente da Banda Sinfônica Nilo Peçanha.

cecilia.png

Cecília Aprigliano

Natural do Rio de Janeiro, estudou viola da gamba por sete anos com Judith Davidoff (NY/EUA). Fez especialização com a gambista Marianne Muller/Lyon/França e com a gambista Jane Hershey/Longy School of Music/EUA. Membro fundadora do Estúdio Barroco com o qual gravou os Cds: Estúdio Barroco e Damas Virtuosas. Desde 2004 realiza colaborações com outras áreas das artes, com performances envolvendo artes visuais e dança: Abibliotecadostripper e Solitude. Membro fundadora do Coletivo Conosco com o qual já realizou, como musicista e diretora musical juntamente com o cantor André Vidal as montagens da Barca de Venetia Per Padova de Adriano Banchieri (temporada no CCBB/Brasília em 2014 e em 2018 nos teatros regionais do SESC). Em 2019 o Coletivo montou a Ópera Vênus e Adônis de John Blow em temporada no CCBB/Brasília. De 1995 a 2018 foi professora de viola da gamba do Centro de Educação Profissionalizante/Escola de Música de Brasília/SEE/GDF e responsável pela criação dos cursos Básico e Técnico em Viola da Gamba. Participou em 2015 da criação da Associação Brasileira de Viola da Gamba e atualmente é presidente da Associação Brasileira de Viola da Gamba gestão 2019- 2020. 

Patrícia Michelini

Professora Adjunta de Flauta Doce da Escola de Música da UFRJ, Patricia Michelini é Doutora em Música pela ECA-USP, onde desenvolveu tese sobre a história da flauta doce no Brasil. Possui larga experiência como flautista em grupos especializados no repertório dos períodos Medieval, Renascentista e Barroco. Na docência há mais de 30 anos, vem se destacando como uma referência para o ensino de flauta doce e para a promoção de ações e projetos que valorizam a pesquisa, a pedagogia e a história relacionada ao seu instrumento. Na Escola de Música da UFRJ desde 2011, atua na Graduação (Licenciatura em Música), Pós-Graduação (Mestrado Profissional em Música), na Pesquisa e Extensão. Nesta instituição, foi responsável pela curadoria dos Festivais de Música Antiga (2011-2015) e dos Seminários de Flauta Doce (2015 e 2018).

Rosana Lanzelote

Com estabelecida carreira no Brasil e exterior, Rosana Lanzelotte gravou obras raras de Bach, Haydn, sonatas inéditas de Avondano e peças brasileiras a ela dedicadas. Resgatou as
obras de Sigismund Neukomm, registradas ao lado de Ricardo Kanji no CD Neukomm no Brasil (Biscoito Fino). Nominado para o Latin Grammy, o CD recebeu o V Prêmio Bravo (2009). Sobre a trajetória do compositor no país, escreveu o livro Música Secreta - Minha Viagem ao Brasil (2009). Doutora em Informática, idealizou o portal Musica Brasilis que disponibiliza partituras e jogos em torno dos repertórios brasileiros de todos os tempos. Com 40.000 acessos mensais e 1500 partituras de 300 compositores, o portal tornou-se uma referência. Para fazer
circular os repertórios resgatados, idealizou o Circuito Musica Brasilis que, em oito edições, levou 130 espetáculos a 30 cidades de todas as regiões do país. Foi a curadora de 6 edições das exposições interativas Musica Brasilis, realizadas em 10 diferentes espaços do Rio de Janeiro e Minas Gerais.
Suas realizações a fizeram merecedora do prêmio Golfinho de Ouro, concedido em 2002 pelo Conselho Estadual de Cultura do Rio, e da comenda Chevalier des Arts et des Lettres, outorgada em 2006 pelo Governo francês.

hell de aranha.png

Raquel Aranha

Doutora e Mestre em Música pela Unicamp (2015), com estágio de pesquisa na Université Paris-Sorbonne (Paris IV – orientadora Dra. Raphaëlle Legrand), estudou os balés-pantomimos de J.G. Noverre, reformador da dança do século XVIII.

Em 2006 concluiu o Bacharelado em Violino Barroco no Conservatório Real de Haia (Holanda), como aluna de Ryo Terakado. Iniciou os estudos de Violino Barroco nos Festivais Internacionais de Música Antiga de Juiz de Fora (com Luis O. Santos) e na Oficina de Música de Curitiba (com Manfred Kraemer). Foi membro da “Armonico Tributo”, da “Orquestra Barroca do Mercosul”, da “Orquestra Barroca do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga”, da “Den Haag Baroque Orchestra”, da Orquestra Barroca da Casa da Música (Porto – Portugal), da orquestra da “Academia Barroca Europeia de Ambronay” na França em 2004 (dirigida por Christophe Rousset), e em 2005 foi spalla dos segundos violinos (sob a direção de William Christie). É especialista em Dança Barroca, tendo estudado com Maria Angard Gaur, Christine Bayle, Cecília Gracio Moura, Ana Yepes e Guillaume Jablonka. Em 2012 concluiu o curso de “Musicología para la Protección y Difusión del Patrimonio Artístico Iberoamericano”, realizado na Real Academia de Bellas Artes de San Fernando (Madri).

marcus held.png

Marcus Held

Natural de São Paulo, é músico e pesquisador, professor de Violino Barroco e História da Música do Conservatório de Tatuí. Doutorando e Mestre em Música (Musicologia) pela Universidade de São Paulo (2017), realizou, pela primeira vez no Brasil e à língua portuguesa, a tradução (acrescida de comentários) da integral da obra tratadística do violinista e compositor Francesco Geminiani (1687-1762). Especializou-se em Música Antiga (Violino Barroco) na Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP), Escola Municipal de Música de São Paulo (Fundação Theatro Municipal de São Paulo) e na Escola Superior de Música de Catalunya (ESMUC-Barcelona). Com diversos artigos publicados em revistas especializadas, tem interesse voltado à pesquisa e à interpretação com instrumentos históricos do repertório dos séculos XVI, XVII e XVIII. Apresentou diversos trabalhos em congressos e conferências no Brasil (USP, UNESP, UNICAMP, UFRGS e UFG) e exterior (Portugal, Espanha, Itália, Inglaterra e Escócia), além de ser regularmente convidado para ministrar masterclasses e palestras envolvendo tópicos de práticas interpretativas antigas, história e filosofia da música em instituições como a Universidade de São Paulo, Academia Cultura, Instituto Baccarelli, Camerata Filarmônica de Indaiatuba e pela plataforma #CulturaEmCasa, programa da Secretaria de Cultura e Econ0mia Criativa do Estado de São Paulo.